Quinta-feira, 29 de Setembro de 2005
Ouvir os mais idosos

“Os senhores têm que pensar que constituem 25 por cento da população desta cidade. E isso nenhum presidente da Câmara pode esquecer. Têm que ter noção da vossa importância”. Foi desta forma que Maria José Nogueira Pinto se dirigiu a um grupo de idosos que a escutavam durante a visita de hoje ao centro de dia do Centro Comunitário do Alto do Pina.

Depois de visitar o lar Nossa Senhor da Vitória, na Rua do Crucifixo, a candidata do CDS-PP à Câmara Municipal de Lisboa foi recebida no centro de dia, onde ouviu as principais queixas daquele grupo de idosos, as quais vão desde o estado dos passeios à sensação de insegurança que têm nas suas próprias casas.
Maria José Nogueira Pinto passou então a explicar algumas das medidas visadas no programa do CDS para a autarquia, como a criação de residências assistidas, a revisão do Porta-a-Porta ou o estabelecimento do tele-alarme. Este último muito bem recebido entre os muitos idosos presentes.
No que diz respeito às residências assistidas, a democrata-cristã sublinhou a importância de “distinguir os cuidados à 3ª idade do isolamento que muitas vezes resulta do próprio urbanismo”, acrescentando ainda que esta será uma medida a implementar inicialmente nas zonas desertificadas, como é o caso da Baixa Pombalina, onde Maria José Nogueira Leite pretende criar entre 4 a 5 residências assistidas no decorrer do próximo mandato.
“Se deixarmos que a reabilitação na Baixa não tenha em conta uma série de factores, como este tipo de residências, a revitalização do comércio ou o criar condições para a classe média, não conseguiremos nada”, refere a candidata.
Já sobre o tele-alarme, e numa cidade onde existem cerca de 35 mil idosos isolados, Maria José Nogueira Pinto defende que “não se trata de um equipamento muito caro e seria essencialmente indicado para pessoas que simultaneamente estejam isolados e tenham pouca mobilidade”. Para a candidata, “seria correcto a Câmara poder ceder esses equipamentos” e os pagamentos mensais seriam feitos conforme as possibilidades financeiras de cada um. Sendo que a Segurança Social poderia ter aqui um papel a desempenhar.

Mensagem aos trabalhadores

 

Mesmo antes da visita aos lares de idosos, Maria José Nogueira Pinto esteve com a sua comitiva à porta do edifício da Câmara Municipal de Lisboa, em Entrecampos, distribuindo uma carta a todos os trabalhadores da instituição.
Na mesma, a candidata defende o “Arrumar a Casa”, um compromisso que “não é possível (...) sem o envolvimento e o contributo de todos os que nela ‘habitam’”. Por isso, Maria José Nogueira Pinto toma como desafios “conseguir envolver os funcionários na ‘arrumação da casa’ e conseguir posicionar a ‘arrumação’ como factor de motivação”. Ainda, “criar factores de motivação e instrumentos que permitam premiar a competência e o empenho”, “criar mecanismos de gestão que permitam aproximar a dinâmica da organização do sector empresarial”, “tornar os mecanismos de gestão facilmente transmissíveis aos sucessores políticos” e, por fim, “criar uma cultura organizacional que possa sobreviver à rotatividade política”.

publicado por Maria José Nogueira Pinto às 18:59
link do post | favorito
Envie um e-mail
pesquisar
 
Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
posts recentes

Vereador sobre eventual r...

Prioridade número um é at...

Anacoreta Correia teme co...

350 atletas em Lisboa no ...

Oposição exige que seja o...

Turismo: Lisboa subiu par...

Filmes da Argentina e Mal...

Carmona tenta convencer M...

Oposição vê eleições como...

Carmona partiu para expos...

arquivos

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Maio 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

tags

actividades

agenda

intervenções

notícias lx

opinião

programa eleitoral

propostas

revista de imprensa

sobre mjnp

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds