Sábado, 28 de Abril de 2007
Carmona partiu para exposição
(in Público)
O presidente da Câmara de Lisboa, Carmona Rodrigues, escapou à crise que assola a autarquia, e da qual passou a principal protagonista ao saber-se que deverá ser ouvido como arguido pelas autoridades na quarta-feira no âmbito do processo Bragaparques, rumando para um encontro de motas antigas em Inglaterra com os amigos (...).
Pela primeira vez, todos os partidos representados na autarquia que não a maioria social-democrata convergiram ontem no cenário de eleições intercalares como uma hipótese a considerar para ultrapassar a crise. O secretário nacional do PS para as autarquias, Miranda Calha, admitiu uma ida às urnas "face à actual situação de desgoverno", e até o primeiro-ministro se pronunciou pela primeira vez sobre o caso, embora de forma minimal, ao desejar que a câmara "ultrapasse os seus problemas".
"O país precisa da Câmara de Lisboa", declarou, citado pela agência Lusa, ao mesmo tempo que os seus camaradas da concelhia punham a circular o nome de António José Seguro como putativo candidato socialista às eleições.
Caso o independente Carmona Rodrigues se recuse a abandonar a autarquia depois de constituído arguido, deverá perder a confiança política do partido que o elegeu, o PSD, o que conduzirá a um agravamento da crise. Se sair, deverá ser substituído no cargo pela vereadora e agora vice-presidente Marina Ferreira, que pertence à distrital social-democrata.
A sua legitimidade enquanto presidente de câmara estará, no entanto, muito comprometida, por causa não do seu desempenho até aqui, mas por causa do afastamento compulsivo das principais figuras que governavam a cidade, e cuja actuação está a ser investigada pelas autoridades: além de Carmona, o seu vice Fontão de Carvalho e a sua vereadora de confiança Gabriela Seara.
Para o vereador socialista Dias Baptista, não faz sentido que o cargo de presidente da câmara seja ocupado pelo número três do executivo. Já o democrata-cristão Anacoreta Correia, também citado pela Lusa, apelou a uma solução de consenso entre os partidos em torno dos principais assuntos da cidade, cenário no seu entender preferível à convocação de eleições - embora em declarações anteriores se tenha mostrado favorável a elas.
A oposição em bloco convergiu ontem pela primeira vez no cenário de eleições intercalares para superar a crise.
Ana Henriques
publicado por Marlene Marques às 12:17
link do post | favorito
|
Envie um e-mail
pesquisar
 
Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
posts recentes

Vereador sobre eventual r...

Prioridade número um é at...

Anacoreta Correia teme co...

350 atletas em Lisboa no ...

Oposição exige que seja o...

Turismo: Lisboa subiu par...

Filmes da Argentina e Mal...

Carmona tenta convencer M...

Oposição vê eleições como...

Carmona partiu para expos...

arquivos

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Maio 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

tags

actividades

agenda

intervenções

notícias lx

opinião

programa eleitoral

propostas

revista de imprensa

sobre mjnp

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds