Quarta-feira, 18 de Abril de 2007
Lisboa vai ter Centro Cultural Russo
(in Lusa / Sol)
O Centro Russo de Cooperação Internacional Científica e Cultural (CRCICC) está a preparar com o Instituto Camões a abertura de uma extensão da instituição russófona em Lisboa.
«Penso que devemos desenvolver uma cooperação de vantagem mútua», disse Eleonora Mitrofanova à Lusa.
O centro de Lisboa terá um duplo objectivo: servir a comunidade de língua russa em Portugal e também divulgar a cultura russa junto dos portugueses.
«Há muitas pessoas que falam russo aqui em Portugal, pessoas de diversas nacionalidades (das ex-repúblicas soviéticas) mas que falam russo e querem que as crianças aprendam a língua e conheçam a história russa», explicou a directora do CRCICC, sedeado em Moscovo e dependente do Ministério dos Negócios Estrangeiros.
Além disso - defendeu a responsável -, numa altura em que «as relações económicas entre Portugal e a Rússia começam a desenvolver- se mais intensivamente» e que há mais turistas russos a visitar Portugal, «os portugueses vão precisar de pessoas que conheçam a língua russa».
Por isso, a extensão de Lisboa funcionará também como «centro de formação metodológica dos professores de língua russa em Portugal», adiantou.
Outra das funções da instituição será ter «um papel informativo junto da sociedade portuguesa sobre a Rússia», razão pela qual incluirá uma biblioteca e acesso ao espaço da Internet russo.
Haverá ainda exposições de fotografia e pintura de artistas russos, entre outras iniciativas, para que «os portugueses conheçam melhor a nossa cultura», exemplificou a responsável.
Actualmente, existem 32 centros russos na Europa e o CRCICC trabalha em 70 países, no total, incluindo alguns do norte de África, países árabes, do sudoeste asiático e da América latina, no que classifica como «o estrangeiro tradicional».
A instituição está também presente nas ex-repúblicas soviéticas que integram a CEI (Comunidade de Estados Independentes), que «antes pertenciam ao país e que agora já não pertencem, porque houve uma mudança de fronteiras».
Aí, os objectivos do CRCICC são diferentes dos do «estrangeiro tradicional», porque os jovens das ex-repúblicas soviéticas «querem ir estudar nas universidades russas», o que faz com que 90 por cento do financiamento da instituição vá para esses países, que têm um número maior de «compatriotas russos», esclareceu.
Segundo a responsável, nos últimos anos, o Governo russo tem dado montantes cada vez maiores ao CRCICC «para apoiar projectos», o que permite expandir a acção da instituição.
Eleonora Mitrofanova indicou ainda que, «numa primeira fase, caberá a uma representante da embaixada da Rússia em Lisboa avaliar quais são as prioridades» da extensão portuguesa do centro científico e cultural.
publicado por Marlene Marques às 12:48
link do post | favorito
|
Envie um e-mail
pesquisar
 
Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
posts recentes

Vereador sobre eventual r...

Prioridade número um é at...

Anacoreta Correia teme co...

350 atletas em Lisboa no ...

Oposição exige que seja o...

Turismo: Lisboa subiu par...

Filmes da Argentina e Mal...

Carmona tenta convencer M...

Oposição vê eleições como...

Carmona partiu para expos...

arquivos

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Maio 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

tags

actividades

agenda

intervenções

notícias lx

opinião

programa eleitoral

propostas

revista de imprensa

sobre mjnp

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds