Quarta-feira, 14 de Março de 2007
Vereadora leva questão D. Pedro IV à Câmara
No período antes da ordem do dia, na reunião de Câmara de hoje, a vereadora do CDS-PP, Dra. Maria José Nogueira Pinto, confrontou o executivo camarário com uma carta que chegou ao seu conhecimento dirigida à Sra. Presidente da Assembleia Municipal pelo presidente da Fundação D. Pedro IV.
 
“Confrontei-me com uma carta mandada pelo Eng. Canto Moniz à Sra. Presidente da Assembleia Municipal que diz assim: «Julga-se que com o afastamento do pelouro da Habitação Social da Sra. Vereadora Maria José Nogueira Pinto estão criadas as condições para este processo poder avançar». Ora, isto a mim preocupa-me muito porque se eu era a única muralha de aço contra a Fundação D. Pedro IV acho que isso é mau para os moradores dos bairros dos Lóios e das Amendoeiras e para a própria Câmara na sequência de tudo o que vinha a dizer”.
 
A vereadora democrata-cristã lembrou que a Fundação D. Pedro IV queria assinar um protocolo com a Câmara no âmbito do ProHabita e “eu na altura, concertada com o conjunto dos vereadores (que sobre isto pensavam o mesmo), com o Sr. Presidente e com o Sr. Secretário de Estado, travei o processo pela existência da dúvida que subsistia relativamente ao Bairro das Amendoeiras e ao Bairro dos Lóios, nos quais este ProHabita vai ser gasto. Também porque o ProHabita é um bolo e neste momento a Câmara não me consegue dizer se esse bolo é grande ou é pequeno e a autarquia tem, por sua vez, diversas entidades candidatas ao ProHabita (desde as SRU’s, à Direcção Municipal de Habitação, à Gebalis, etc)”. “Na altura consegui, com a vereadora Gabriela Seara, fazer a primeira reunião nesta Câmara para se conseguir perceber quais eram as necessidades em matéria de ProHabita. Portanto, foi neste quadro que eu travei”, acrescentou.
 
Ainda no que diz respeito a todo o processo que envolve os moradores dos Lóios e das Amendoeiras, a Dra. Maria José Nogueira Pinto confirmou ter sido igualmente informada de que na última reunião com o Sr. Secretário de Estado, na semana passada, em que a Câmara estava representada pelo Sr. Vereador Sérgio Lipari, “este terá feito propostas que são, como hoje confirmei, do desconhecimento da Câmara e do Sr. Presidente. Propostas que terão deixado surpreendido o próprio Sr. Secretário de Estado e que terão gerado a maior confusão no termo de uma negociação que foi muito complexa e que deixou um pouco desiludidos os próprios moradores”.
 
“Ora, quando o Sr. Vereador fala, pelos vistos, nem em nome da Câmara, nem em nome do Sr. Presidente, criando outras expectativas, eu interrogo-me se este é o melhor procedimento”, salientou a Vereadora, revelando que, segundo o que lhe chegou ao conhecimento, “o que o Sr. Vereador foi dizer tinha a ver com a Câmara poder ficar com os bairros, algo que sempre foi dito com muita cautela e sentido de responsabilidade e que não seria uma solução que a Câmara tivesse encarado durante este processo”.
 
“A minha dúvida era se o Sr. Vereador teria actuado mandatado pelo Sr. Presidente, embora estranhando que o Sr. Presidente o tivesse mandatado para tal declaração, uma vez que todo este assunto tem que ser concertado no âmbito de todos os vereadores que constituem este executivo”.
 
Embora o Vereador que detém o pelouro da Habitação Social tenha estado ausente da sessão de Câmara de hoje, “o Sr. Presidente deu-me a resposta de que não sabia nada da reunião. Portanto, se o Sr. Presidente não sabia nada da reunião quer dizer – assim o entendi – que não tinha instruído o Vereador Sérgio Lipari a dizer fosse o que fosse e também que o Sr. Vereador vai a estas reuniões em nome da Câmara sem prestar esclarecimentos quando chega cá”.
 
Ainda no PAOD, a Vereadora do CDS-PP quis ainda abordar outra questão directamente relacionada com a Fundação D. Pedro IV: “Recebi a associação dos pais dos estabelecimentos de infância da D. Pedro IV, que estão com sérios receios relativamente ao nível de qualidade daqueles estabelecimentos, que era grande e que se está a degradar”, contou a Dra. Maria José Nogueira Pinto aos seus pares.
 
“Embora a Câmara não tenha nada a ver com estes estabelecimentos de infância, estes pais pediram-nos que, em nome dos 800 pequenos munícipes que frequentam estes estabelecimentos, a Câmara manifestasse a sua preocupação junto do Governo e junto do Ministério da Segurança Social, o que constituiria, num certo sentido, um apoio da Câmara aos pequenos munícipes e aos pais dos pequenos munícipes”, acrescentou.
publicado por Marlene Marques às 17:00
link do post | favorito
|
Envie um e-mail
pesquisar
 
Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
posts recentes

Vereador sobre eventual r...

Prioridade número um é at...

Anacoreta Correia teme co...

350 atletas em Lisboa no ...

Oposição exige que seja o...

Turismo: Lisboa subiu par...

Filmes da Argentina e Mal...

Carmona tenta convencer M...

Oposição vê eleições como...

Carmona partiu para expos...

arquivos

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Maio 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

tags

actividades

agenda

intervenções

notícias lx

opinião

programa eleitoral

propostas

revista de imprensa

sobre mjnp

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds