Terça-feira, 30 de Maio de 2006
Reflexão sobre espaços libertados
RECOMENDAÇÃO N.º         /2006
 
 
Considerando que os equipamentos de saúde, os aquartelamentos e os cárceres, hoje existentes nos bairros centrais da cidade, se tornaram obsoletos nas suas funções, não só porque há séculos convertidos da sua função primitiva, como não oferecem já condições para as novas tecnologias e as necessidades modernas;
 
Mas considerando que esses equipamentos tendo começado por ser edifícios religiosos e portanto estruturantes da evolução da cidade, permitindo à sua volta um aumento demográfico constante que foi moldando o perfil do crescimento da urbe e caracterizando, pelos bens e serviços prestados à população, a sua evolução social;
 
Considerando que a Idade Moderna, a evolução técnica e industrial caracteriza as cidades com um número crescente de equipamentos de saúde e de segurança prestando assistência ao cada vez maior número de gente que nela habita;
 
Considerando que a contemporaneidade, os avanços científicos, os direitos humanos, as novas formas de segurança, as novas tecnologias provocaram a desconformidade da função dentro dos equipamentos existentes, sendo, por isso, imperioso a sua deslocação;
 
Considerando que a perda de funções, muito embora justificada pela necessidade de outras construções noutro espaço, terá sempre de levar em linha de conta a necessidade de reserva fundiária das cidades para a evolução e criação de novas estruturas então necessárias;
 
Considerando ainda que por tudo isto é necessária uma reflexão que se enquadra numa filosofia urbana de equilíbrio sobre as novas funções de substituição das antigas, que saiba não só preservar o edificado como o seu valor estruturante na identidade da cidade;
 
Tenho a honra de recomendar que a Câmara delibere aprovar, ao abrigo do artigo 64.º, n.º 7, alínea d) da Lei n.º 169/99 de 18 de Setembro, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 5-A/2002 de 11 de Janeiro, a iniciativa de promover uma profunda reflexão, aberta a entidades e individualidades de reconhecida competência nestas matérias a fim de poder estabelecer um correcto e adequado enquadramento que permita a salvaguarda na intervenção dos espaços libertados, a constituição de uma reserva fundiária e a selecção das novas funções que respondam às necessidades da Cidade.
 
Paços do Concelho, Lisboa, 30 de Maio de 2006  
 
                                                                       A Vereadora
 

                                        - Maria José Nogueira Pinto -

tags:
publicado por Marlene Marques às 15:11
link do post | favorito
|
Envie um e-mail
pesquisar
 
Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
posts recentes

Vereador sobre eventual r...

Prioridade número um é at...

Anacoreta Correia teme co...

350 atletas em Lisboa no ...

Oposição exige que seja o...

Turismo: Lisboa subiu par...

Filmes da Argentina e Mal...

Carmona tenta convencer M...

Oposição vê eleições como...

Carmona partiu para expos...

arquivos

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Maio 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

tags

actividades

agenda

intervenções

notícias lx

opinião

programa eleitoral

propostas

revista de imprensa

sobre mjnp

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds