Quarta-feira, 21 de Setembro de 2005
Apoiar as vítimas

A candidata do CDS-PP à presidência da Câmara Municipal de Lisboa visitou hoje a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV). Recebida pelo presidente daquela organização, Maria José Nogueira Pinto ouviu com atenção os resultados dos últimos estudos feitos acerca das vítimas de crime e, igualmente, sobre a prevenção de crime e vitimação urbana.

“A APAV é uma instituição muito importante porque a vítima precisa desta forma de apoio”, começou por referir a candidata democrata-cristã, acrescentando que, de algum modo, embora sendo uma instituição particular de solidariedade social, a APAV “cumpre um serviço público”.
Manuel António Ferreira Antunes começou por referir à candidata que o problema começa desde logo ao nível urbanístico, com a falta de iluminação e a existência daquilo que são chamados de “ângulos mortos”, isto é, sítios de reduzida visibilidade. Isto acrescido do mau comportamento para com a vítima ao nível do sistema judicial e do actual policiamento. Para Maria José Nogueira Pinto, trata-se de “um sistema que desencoraja a queixa”.
Tendo consciência de que “os números que existem não são fidedignos, uma vez que não correspondem à realidade”, a candidata à autarquia lisboeta acredita que “mesmo que o sistema tivesse outra eficácia, estas instituições [como é o caso da APAV] continuam a fazer todo o sentido”.

“Pensa-se que a segurança é uma coisa que chega, mas não se entende que a segurança começa desde logo no local”, afirmou Maria José Nogueira Pinto. Para a candidata, o encontro desta tarde foi enriquecedor uma vez que “foi-nos dado um entendimento muito importante sobre a participação do próprio cidadão no desenvolvimento da segurança”, designadamente no que concerne ao papel dos comerciantes.
Também, Maria José Nogueira Pinto não deixou de sublinhar a “figura do mediador”, uma pessoa que possa ter uma função de mediação no terreno e que contribuirá para a detecção precoce de situações de insegurança”.
“Os cidadãos preferem medidas que produzam efeitos mais imediatos. Eu gostava de transmitir um discurso de longo-prazo”. Maria José Nogueira Pinto acredita que “a Câmara tem uma obrigação muito grande, nomeadamente com os comerciantes em zonas mais isoladas” e defende “uma estreita colaboração da autarquia com a PSP de modo a reforçar os programas de proximidade”.
“Se chegar à presidência da Câmara não terei medo de fazer um trabalho a mais longo-prazo. Mesmo que sejam outros a recolher os frutos desse trabalho”, disse ainda a democrata-cristã.


publicado por Maria José Nogueira Pinto às 19:29
link do post | favorito
|
Envie um e-mail
pesquisar
 
Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
posts recentes

Vereador sobre eventual r...

Prioridade número um é at...

Anacoreta Correia teme co...

350 atletas em Lisboa no ...

Oposição exige que seja o...

Turismo: Lisboa subiu par...

Filmes da Argentina e Mal...

Carmona tenta convencer M...

Oposição vê eleições como...

Carmona partiu para expos...

arquivos

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Maio 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

tags

actividades

agenda

intervenções

notícias lx

opinião

programa eleitoral

propostas

revista de imprensa

sobre mjnp

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds