Segunda-feira, 26 de Setembro de 2005
"Não dou empregos porque não sou o eng. Sócrates"



(Notícia DN, de 26 de Setembro)


filipe morais

"O discurso da candidata do CDS/PP à câmara municipal de Lisboa é assumido como politicamente incorrecto. Maria José Nogueira Pinto visitou ontem o bairro da Musgueira e , depois de ouvir vários moradores, defendeu que "fazer pedagogia" é o mais importante . "Venho explicar que não dou empregos porque não sou o engenheiro Sócrates e explicar o que a câmara pode fazer pelas pessoas que aqui vivem", porque há "uma cultura de direitos e poucos deveres e estas pessoas põem-se muito na posição de assistidas e não na posição de pessoas que têm de contribuir para as suas vidas".

A candidata sublinhou que "assiste-se mais a um fenómeno de exclusão do que pobreza e o provérbio chinês, de que é preciso ensinar a pescar, aplica-se muito bem". Nogueira Pinto entende que a sociedade tem que considerar este fenómeno e que, como candidata, tem que "vir a estes locais, mesmo que não seja bem recebida", o que chegou a acontecer. Ao ouvir algumas queixas, que passaram principalmente pelas dificuldades económicas, a candidata popular disse que as suas propostas passam pela "acção social e pelas competências. Temos obrigação de as dar às pessoas que não tiveram oportunidades, mas elas têm que estar dispostas a receber estas competências".

As queixas passaram ainda pela falta de transportes, com a residente Helena Maria, de 47 anos a explicar que "nem um autocarro nos dão". Já outro morador, que se definiu como "o presidente da sociedade dos pobres" interrogou a candidata sobre "o que vai fazer e como", criticando ainda o modelo de bairro social. No entanto, Maria José Nogueira Pinto elogiou o modelo aplicado, que junta prédios de realojamento com habitações para venda a custos controlados. "Não tenho nenhuma relutância em dizer que este modelo, que começou com João Soares e continuou com Santana Lopes, é muito mais integrador, embora saibamos que faltam outras componentes sociais que é necessário criar".

Crítica. Maria José Nogueira Pinto aproveitou ainda para criticar um patrocínio da Santa Casa da Misericórdia ao rali Lisboa-Dakar no valor de cinco milhões de euros, segundo revelou o jornal Expresso "Como candidata à câmara e tendo sido provedora da Misericórdia, tenho perfeita noção do que compete às duas entidades. Pensava que Lisboa ia contar com a Misericórdia, que não está vocacionada para um patrocínio desta dimensão. Um milhão de contos para o rali, é menos um milhão de contos para apoiar estas pessoas".


publicado por Maria José Nogueira Pinto às 12:52
link do post | favorito
|
Envie um e-mail
pesquisar
 
Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
posts recentes

Vereador sobre eventual r...

Prioridade número um é at...

Anacoreta Correia teme co...

350 atletas em Lisboa no ...

Oposição exige que seja o...

Turismo: Lisboa subiu par...

Filmes da Argentina e Mal...

Carmona tenta convencer M...

Oposição vê eleições como...

Carmona partiu para expos...

arquivos

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Maio 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

tags

actividades

agenda

intervenções

notícias lx

opinião

programa eleitoral

propostas

revista de imprensa

sobre mjnp

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds